23 minutos é muito tempo.

Sobes as escadas, mas eu não estou ali. Nenhuma porta entreaberta anseia por me desvendar. Nenhum quarto fica mais cheio comigo lá. Não me vês sentada à janela, com as pernas a cair sobre o ar lá fora, à espera que me afagues o cabelo e que digas
-cheguei.
Nem sequer estou lá em baixo, encostada à árvore onde tu querias que eu estivesse. Estou ao lado, muito ao lado. Estou muito para lá de tudo. Vejo este itinerário nos teus olhos, a tua expressão desanimada a não me encontrar ali, mas sabes que não podia ser de outra maneira. Vejo-te a abrir a janela, a olhar o infinito que eu deixei longe, a quereres-me ali. Vejo-te a fazer pactos com a lua
-o brilho dos meus olhos a troco dela. 
Vejo isto tudo e no entanto não posso olhar para trás.

*Carolina*

3 comentários:

Joana ' disse...

às vezes, o mais correcto, é não olhar para trás...

incógnita disse...

olhar sempre em frente...

S* disse...

Não voltar ao sítio onde fomos felizes, dizem...

Invisible Woman (55) Alice (49) One more (49) Carolina (37) S. (33) Amy (19) Dee Moon (7)